Crônicas para uma vida saudável: entendo, logo pratico!

Entendo, logo pratico!

A empresa me exigiu um check up e, como bem diz a sabedoria dos provérbios populares “manda quem pode, obedece quem tem juízo”, eu, sem escolha, peguei o telefone e marquei o fatídico.

Estava com 42 anos e nunca tinha me submetido sequer a um exame de urina o que dizer de uma avaliação médica total.

Seguindo a lista de exigências ditadas pelo laboratório, na data marcada me apresentei com fome e abstinência de álcool no horário exato.

Dias depois o resultado e a constatação de que eu estava sendo deveras inconsequente comigo. Glicemia, colesterol, pressão arterial e outros resultados se apresentaram acima dos limites desejados. Quase inacreditável, mas só me dei conta que havia engordado mais de 8 quilos e deixado de fazer atividade física há quase vinte anos, após me confrontar com tais números. Tinha sido um universitário absolutamente ativo, no entanto a vida foi tomando novos rumos e realmente não percebi que tanto tempo tinha passado e que novos hábitos eu havia adquirido e neles não estavam exercícios e dieta.

Fiquei preocupado, tirando o fato de que eu sabia que minhas roupas estavam mais apertadas e eu não tinha tanto folego para algumas coisas, achei o resto sinistro, pois todas as doenças que eu momentaneamente estava (diabetes, hipertensão e colesterol elevado) eram silenciosas, mas eu tinha conhecimento de quão devastadoras podiam ser.

Resolvi voltar a fazer atividade física e correr era o que de mais fácil e imediato eu poderia praticar.

Na manhã seguinte acordei mais cedo, pus um par de tênis e saí sem rumo e com um único propósito, melhorar minha saúde, correndo pelas ruas do meu bairro. Voltei após cinquenta minutos exausto, banhado em suor e feliz. Tomei um banho e rumei para o resto do dia.

Fiz isso por sete dias consecutivos até que uma dorzinha começou a me acompanhar. Não liguei para ela, afinal, eu precisava correr e continuei aumentando a intensidade e o tempo aos finais de semana.

Após mais alguns dias, a dorzinha se transformou em dor e logo depois se tornou algo limitante. Mais uma vez, sem muitas escolhas, fui a um ortopedista que me apresentou qual nome tinha a minha dor e me sugeriu repouso por um determinado tempo e que, quando eu retornasse minha prática, isso acontecesse sob algum tipo de orientação.

Decorridos os dias sugeridos pelo médico e com a evidente melhora do sintoma, eu procurei orientação e conheci a Suporte Saúde. Foi com ela que aprendi a evoluir lentamente a minha prática obedecendo as planilhas sugeridas, dando o feedback de como tinha me sentido pós treino e lendo os posts que me davam informações pertinentes sobre a fisiologia do coração, os tipos de treinos de corrida, o porquê das zonas de treinamento da frequência cardíaca entre tantas outras coisas.

Passados alguns meses, eu me inscrevi numa primeira prova de corrida de rua e, desde então, somo participações e bons resultados sem dores!

Refiz meus exames e todos estão dentro dos limites desejados.

Entender me deu ânimo e significado para prosseguir a prática, treinos diversos me motivaram e profissionais sempre à disposição para esclarecer minhas dúvidas tem me perpetuado na corrida!

Entendo, logo pratico!

Veja mais “Crônicas para uma vida saudável!”

MARIA ANGELICA FELIZARDO, EDUCADORA FÍSICA, TRABALHA COM TREINAMENTO PERSONALIZADO HÁ 20 ANOS, ESCRITORA.

Comments

comments