“O alimento é seu amigo, o inimigo pode ser você!”

“O que nos faz mal são os maus hábitos, não os excessos que podemos cometer esporadicamente.”

Essa frase mudou minha vida aos 20 anos, ela veio de uma nutricionista que percebeu em mim a anorexia mesmo sem eu verbalizar.

Ela foi sensível e experiente e me chamou para uma conversa informal na qual me orientou, pôs-se a minha disposição e, a partir de então, cuidou de mim.

Tudo em excesso pode ser prejudicial, no entanto, diferente de substâncias que são opção em nossas vidas, comer não é uma escolha é uma necessidade vital. Encarar a comida como inimiga é um sofrimento atroz! O real vilão não é ela, mas quem não a domina, quem não faz escolhas saudáveis, quem não vê nela  o mais profundo sentido do alimento como aquilo que sustenta, que desenvolve, que nos dá condições.

Leia também a crônica: “Entendo, logo pratico!”

Os distúrbios alimentares são tristes realidades. Seguir um “determinado” padrão “determinado” por “determinadas” pessoas pode ser algo sofrível e que favoreça muitas pessoas a se sentirem reféns. 

Quer seja a falta da comida ou a compulsão pela mesma, não podemos menosprezar esses sintomas e se não tivermos força suficiente para atingir o sucesso sozinhos, pedir ajuda pode ser a redenção. Não é sempre que anjos aparecem em nossos caminhos, mas sempre que os solicitamos eles prontamente se disponibilizam a nos ajudar. 

      MARIA ANGELICA FELIZARDO, EDUCADORA FÍSICA, TRABALHA COM TREINAMENTO PERSONALIZADO HÁ 20 ANOS, ESCRITORA.

Comments

comments